Fale conosco

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Notícias
11.07.2018
Distribuidoras brasileiras poderão ser vendidas por 50 mil reais

Os deputados federais finalizarão essa semana as alterações do Projeto de Lei 10.332/18 que facilita a privatização das seis distribuidoras subsidiárias do complexo Eletrobras, além de apropriar as concessões das usinas termelétricas. O início da votação está marcado para a tarde de hoje e terá continuação nos dias 11 e 12 de julho.

O projeto que enfrentou resistências no Congresso Nacional, foi aprovado na Câmara dos deputados na última quarta (04/07), mesmo com o impasse decretado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski, que proíbe a venda de empresas estatais sem a aprovação do Congresso Nacional, porém o governo golpista insiste em privatizar a gigante da energia.

Após a votação das mudanças do PL, a proposta seguirá para o senado e caso seja aprovada será conduzida para o presidente interino Temer para aprová-la ou vetá-la.

As distribuidoras Amazonas Energia, Ceron, Eletroacre, Ceal, Cepisa, Boa Vista Energia, estão localizadas no Norte e Nordeste do país e são responsáveis por levar energia a milhares de brasileiros. Elas podem ser vendidas pela bagatela de R$50 mil cada, valor inferior a um apartamento popular financiado pelo programa Minha Casa Minha Vida, mas só poderão ser compradas por grandes empresas do ramo energético.

Para melhorar o negócio (para os compradores), as dívidas dessas distribuidoras, que somam R$ 11 bilhões, serão repassadas à estatal Eletrobras, a quem caberá pagá-las. Ou seja, quem pagará a dívida será o povo brasileiro. Isso garantirá maiores lucros aos novos proprietários das distribuidoras.

Outra consequência dessa privatização é a demissão imediata de seis mil trabalhadores das subsidiárias. Esses funcionários esperam que uma das mudanças no projeto de lei garanta a estabilidade de 18 meses no trabalho após a venda das subsidiárias.

A venda das seis distribuidoras pode ser o início da privatização do complexo Eletrobras. Considerada a maior empresa de energia da América Latina e uma das maiores do mundo, a Eletrobras possui um patrimônio superior a R$400 bi, mas corre o risco de ser vendida para empresas estrangeiras por apenas R$12 bi, valor que não cobre os investimentos realizados durante os últimos anos.

A privatização do setor elétrico no Brasil pode ter várias consequências graves para a população, como o fim de incentivos a projetos sociais, como os programas de acesso à energia elétrica; o controle dos rios do país nas mãos de empresas estrangeiras, o aumento na conta de luz. Isso sem mencionar os apagões contantes e os acidentes residenciais que podem ocorrer.

O projeto é de relatoria do deputado Júlio Lopes (PP/RJ) que é acusado de receber 15,6 milhões da Odebrecht entre 2008 a 2014 e de participar da CPI dos transportes quando erai secretário do governo Cabral no estado do Rio de Janeiro.

 

Fonte: Jornalistas Livres

CUT DIEESE FNU
Nosso endereço:
Rua General Labatut, Nº 65, Barris, Salvador - Bahia - Brasil.
CEP.: 40070-100 - Tel.: *71 - 3111-1700* - Fax.: 71 3013-6913 secretaria@sindae-ba.org.br
Viewnet