Fale conosco

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Notícias
17.05.2018
Desigualdade mundial crescente

Um livro está repercutindo na mídia comercial no momento. É chamado de Factfulness*. Ele pretende argumentar que, ao contrário da sabedoria convencional, o mundo está se tornando um lugar melhor. A pobreza está caindo, a expectativa de vida está aumentando; os níveis de saúde estão melhorando; as pessoas têm mais coisas e melhores serviços. Até a violência e as guerras estão em declínio.

Esta é uma velha mensagem antiga que foi exposta no passado pelo bilionário Bill Gates, entre outros. De fato, ele dá a este novo livro muitos elogios – como justifica sua visão de que as coisas estão melhorando para a maioria e com as políticas corretas em saúde, educação, população, mudanças climáticas etc., o mundo pode progredir sem qualquer mudança em seu modo de produção e estrutura social.

Tomei essa mensagem otimista em posts anteriores e meu último livro, Marx 200, discute a natureza dialética do desenvolvimento do capitalismo – algo que Marx reconheceu já em 1848 no Manifesto Comunista. Sim, o capitalismo levou adiante as forças produtivas como nenhum outro modo de produção (sociedade escravista, feudalismo e despotismo asiático), mas também carrega um lado sombrio de crescente exploração, domínio do mercado e máquina sobre a liberdade e a subsistência das pessoas; e guerras globais, e até mesmo a destruição do planeta.

Em contraste com o otimismo de Factfulness, o último Relatório Mundial de Desigualdade é uma análise preocupante. A desigualdade entre ricos e pobres está aumentando em ritmo crescente. Os autores, os mais respeitados especialistas em desigualdade de renda e riqueza globalmente, concluem que o número de bilionários subiu pelo maior valor de sempre em 2017, enquanto mais da metade da população mundial vive entre US $ 2 e US $ 10 por dia. O relatório mostra que a parcela de riqueza detida pelos 1% dos maiores proprietários nos EUA dobrou de 10% para 20% entre 1980 e 2016, enquanto os 50% inferiores caíram de 20% para 13% no mesmo período.


Kofi Annan, ex-chefe das Nações Unidas, chamou essa escala de desigualdade econômica global de “desconcertante e vergonhosa”. Os autores descobriram que a desigualdade de renda aumentou em quase todas as regiões do mundo nas últimas décadas, mas em velocidades diferentes. Desde 1980, a desigualdade de renda aumentou rapidamente na América do Norte, China, Índia e Rússia. A desigualdade cresceu moderadamente na Europa.

No nível global, a desigualdade aumentou acentuadamente desde 1980, apesar do forte crescimento na China. A metade mais pobre da população global viu sua renda crescer significativamente graças ao alto crescimento na Ásia (particularmente na China e na Índia). No entanto, devido à alta e crescente desigualdade dentro dos países, os 1% mais ricos do mundo captaram duas vezes mais crescimento do que os 50% mais pobres desde 1980.

 

Quando se trata de desigualdade de riqueza em oposição à renda, há algumas conclusões surpreendentes no relatório. “A desigualdade econômica é em grande parte impulsionada pela propriedade desigual do capital, que pode ser de propriedade privada ou pública. Mostramos que, desde 1980, ocorreram transferências muito grandes de riqueza pública para privada em quase todos os países, sejam eles ricos ou emergentes. Embora a riqueza nacional tenha aumentado substancialmente, a riqueza pública é agora negativa ou próxima de zero nos países ricos ”.


Os autores sugerem que a combinação de grandes privatizações e o aumento da desigualdade de renda dentro dos países alimentou o aumento da desigualdade de riqueza, mesmo que ela ainda não tenha retornado ao seu nível extremamente alto no início do século XX nos países ricos. O aumento da desigualdade de riqueza, no entanto, é muito grande nos Estados Unidos, onde a parte de riqueza de 1% subiu de 22% em 1980 para 39% em 2014. A maior parte desse aumento foi devido à alta da riqueza de 0,1%. os proprietários.


A meu ver, a desigualdade de riqueza e renda é uma característica inerente às sociedades de classes, e o capitalismo não é exceção. Mas isso não significa que aumentaria indefinidamente, um ponto feito pelo relatório sobre a desigualdade. Isso depende da dinâmica de acumulação de capital e da ação política dos governos.

Naturalmente, os autores (ou Kofi Annan) não propõem uma reestruturação radical do sistema capitalista, isto é, sua substituição. Em vez disso, eles buscam uma tributação progressiva dos rendimentos; controlo da evasão fiscal e dos paraísos fiscais para a riqueza; “mais educação” e investimento público. O problema dessas políticas, que merecem respeito, é que elas não podem ser implementadas se os interesses do capital forem protegidos, particularmente, quando o capitalismo está lutando para sustentar a lucratividade do capital, precisamente, diminuindo a força sindical (que é um importante fator de contra-pressão contra a crescente desigualdade) ignorado pelos autores; mantendo as privatizações (não o investimento público) e “desregulamentando” os mercados de trabalho, isto é, aumentando a exploração total do trabalho.

Além disso, crises recorrentes na produção capitalista não são o resultado do aumento da desigualdade (embora algunes na esquerda argumentem isso); e assim as verdadeiras contradições e limites do capitalismo não serão resolvidas pela redução da desigualdade.

O que também está faltando no relatório é por que a desigualdade de riqueza aumentou – é principalmente o resultado do aumento da concentração e centralização de ativos produtivos capitalistas em poucas mãos. A concentração real da riqueza é expressa no fato de que o grande capital (finanças e negócios) controla o investimento, o emprego e as decisões financeiras do mundo. Um núcleo dominante de 147 empresas, através de participações interligadas em outros, controla, juntas, 40% da riqueza na rede global, de acordo com o Instituto Suíço de Tecnologia. Um total de 737 empresas controlam 80% do total. Essa é a desigualdade que importa para o funcionamento do capitalismo – o poder concentrado do capital.

*Livro – Factfulness: Ten Reasons We’re Wrong About the World-and Why Things Are Better Than You think, by Hans Rosling
Tradução – Fatualidade: dez razões pelas quais estamos errados em relação ao mundo – e por que as coisas são melhores do que você pensa, de Hans Rosling

** Artigo publicado originalmente em Thenextrecession

Foto: Reprodução Youtube

 

Fonte: Esquerda Online

CUT DIEESE FNU
Nosso endereço:
Rua General Labatut, Nº 65, Barris, Salvador - Bahia - Brasil.
CEP.: 40070-100 - Tel.: *71 - 3111-1700* - Fax.: 71 3013-6913 secretaria@sindae-ba.org.br
Viewnet