Fale conosco

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Baixe o Gota D'água
Gota D'água
11.09.2018
Setembro Amarelo: Mês de prevenção ao suicídio - Converse, ajude, ampare. Faça a sua parte

Por dia, 32 brasileiros (as) morrem por suicídio e a maioria dessas mortes poderia ser evitada. Isso mesmo! Nove de cada 10 mortes poderiam ser evitadas se cada uma das pessoas que enfrentava o transtorno mental recebesse ajuda a tempo. Conversar e amparar essas pessoas são fundamentais nessa hora e é o que recomendam os especialistas. Uma ajuda importante pode ser acessada pelo telefone 188 ou então por e-mail dirigido ao Centro de Valorização da Vida (CVV), que presta apoio emocional e procura prevenir esses atos extremos, tudo gratuitamente e sob sigilo.

Por causa do grande número de mortes, surgiu o movimento que criou o “Setembro Amarelo”. Ele busca prevenir o suicídio e ajuda a quebrar tabus, incentivando a falar e alertar a população sobre essa que já é uma questão de saúde pública. Segue nesse caminho a Associação Internacional de Prevenção do Suicídio (IASP), que este ano lançou o tema “Doe um minuto, mude uma vida”, para fazer a sua parte na passagem do 10 de setembro, Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio.

A entidade surgiu para sensibilizar e conscientizar a população sobre os altos índices de suicídio no mundo, mostrando ainda que essas mortes (ou a maioria delas) podem ser prevenidas. Segundo a entidade, há 25 vezes mais tentativas. São 830 brasileiros que buscam a morte todos os dias, o que dá uma média de uma pessoa a cada dois minutos.

O suicídio é um problema complexo, multifatorial, que não se presta a generalizações apressadas e sem fundamento. Nem sempre é possível perceber os sinais que podem desencadear o ato suicida. Mas quando alguém se isola, se afasta do convívio social, demonstra desinteresse e desalento acentuados, vale checar o que está acontecendo.
O presidente do Centro de Valorização da Vida (CVV), Robert Paris, defende a necessidade de se quebrar o tabu de que falar sobre suicídio na mídia (grande imprensa) agrava o problema ou mesmo estimula. “Falar salva, mas é preciso falar seriamente. A boa mídia informa sobre a complexidade do fenômeno. Todo suicídio é, em geral, uma história de muito sofrimento”, observou.

Para a abordagem do tema na mídia, a Organização Mundial de Saúde tem como recomendações evitar que ele seja tratado com sensacionalismo ou então glamourizado. Seja a mídia ou quando se fala diretamente com a pessoa que passa pelo transtorno, o limite sempre é o respeito e evitar a exposição das pessoas. Quando alguém precisar de você, ajude. Converse. Todos somos responsáveis pela saúde dos que estão à nossa volta. Todos podemos evitar o agravamento das estatísticas de suicídio. Se for o caso, entre em contato com o Centro de Valorização da Vida pelo telefone 188 ou pelo e-mail cvv.org.br.

De suicídio morrem um milhão de pessoas por ano, o que representa uma morte a cada 40 segundos. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), ele é a terceira principal causa de morte entre jovens de 15 a 29 anos no Brasil – a primeira é a violência, seguida por acidentes de trânsito. O índice cresceu 40% entre os brasileiros nessa faixa etária na última década.

CUT DIEESE FNU
Nosso endereço:
Rua General Labatut, Nº 65, Barris, Salvador - Bahia - Brasil.
CEP.: 40070-100 - Tel.: *71 - 3111-1700* - Fax.: 71 3013-6913 secretaria@sindae-ba.org.br
Viewnet