Gota D'água

Economia perversa: 40 milhões de trabalhadores estão na informalidade, diz IBGE

30/09/2019

Os dados da nova Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD), do IBGE, não deixam dúvidas das quantas anda a economia brasileira: literalmente patinando por falta de propostas do governo. O reflexo é o desemprego se mantendo num patamar elevado (caiu de 12,3% para 11,8%) conjunto com um número recorde e crescente de trabalhadores no mercado informal. Esse batalhão é de 38,8 milhões de informais no trimestre encerrado em agosto.

Ou seja, entre junho e agosto, 41,4% dos trabalhadores brasileiros sobreviveram na informalidade (sem carteira assinada, fazendo “bicos” e sobrevivendo de variadas formas). É o maior percentual desde 2016, quando esse indicador começou a ser calculado. O crescimento da informalidade indica que o mercado de trabalho brasileiro ainda enfrenta dificuldades para iniciar um processo de retomada.

O próprio aumento da informalidade, dizem os pesquisadores, teria contribuído para reduzir levemente o nível do desemprego (de 12,3% para 11,8%). Mas os números não escondem a tragédia social em que vivemos: ao todo, 12,6 milhões de pessoas estão procurando emprego no país. Outro registro negativo feito pela pesquisa: também houve novo recorde no número de empregados sem carteira assinada: 11,8 milhões.